Palestra: Neurofisioanatomia, por Milena Zuchetto

22/02/2019 01:11

“Sem neura”, mas já pensou em passar uma tarde discutindo sobre histologia, anatomia, fisiologia do sistema nervoso e participar de debates acerca de protocolos e atualidades no atendimento ao AVC? Neste dia 20 de fevereiro de 2019, ocorreu mais uma edição da palestra de Neurofisioanatomia, ministrada pela enfermeira Milena Zuchetto.

Aliás, você sabia que nós nascemos com 100 bilhões de neurônios? E que quando adultos, temos apenas 85 milhões? Você sabia também que a lenda do neurônio não se regenerar é um mito? Ou que o nosso cérebro consome 50% do oxigênio que respiramos e é formado por 75% de água?

Milena Amorim Zuchetto é Enfermeira graduada pela Universidade Federal de Santa Catarina. Mestranda do Programa de Pós-graduação em Enfermagem da UFSC e Especialista em Neurologia Clínica e Intensiva pelo Programa de Pós-graduação do Hospital Israelita Albert Einstein.

Por: Ramon Carlos Pedroso de Morais, acadêmico do 8° período de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); membro do Grupo (Re) Habilitar; diretor administrativo e financeiro da LAENP (Liga Acadêmica de Enfermagem Neonatal e Pediátrica); voluntário na ACAM (Associação Catarinense de Assistência ao Mucoviscidótico – Fibrose Cística).

Curso de Verão: Ética, Bioética e Trabalho na Área da Saúde e Enfermagem

19/02/2019 15:53

Entre os dias 12 e 18 de fevereiro de 2019, foi ministrado pela Professora Luciana Neves da Silva Bampi o curso de verão de Ética, Bioética e Trabalho na Área da Saúde e Enfermagem. Com duração de 40 horas, o curso teórico-prático apresentou teorias éticas e bioéticas capazes de fornecer ferramentas para o enfrentamento dos conflitos morais vivenciados na prática cotidiana no campo da saúde; sensibilizou os participantes para as delicadas questões éticas subjacentes ao processo de atenção à saúde e ampliou o cenário de análise de situações conflituosas e que são alvo de deliberação moral e técnica no campo da saúde e da enfermagem.

A Professora Luciana Neves da Silva Bampi possui graduação em Enfermagem e Obstetrícia pela Universidade Federal do Rio Grande, mestrado e doutorado em Ciências da Saúde pela Universidade de Brasília. Realizou estágio Pós-doutoral na Universidade Complutense de Madrid. É professora adjunta do Departamento de Enfermagem e orientador do Programa de Pós-graduação em Enfermagem da Universidade de Brasília. Está em exercício provisório no Departamento de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina. É pesquisadora com experiência na área de enfermagem, com ênfase bioética, bioética clínica, ética em pesquisa, qualidade de vida, deficiência e reabilitação.

Por: Ramon Carlos Pedroso de Morais, acadêmico do 8° período de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); membro do Grupo (Re) Habilitar; diretor administrativo e financeiro da LAENP (Liga Acadêmica de Enfermagem Neonatal e Pediátrica); voluntário na ACAM (Associação Catarinense de Assistência ao Mucoviscidótico – Fibrose Cística).

Grupo (Re) Habilitar é recebido pelo CER II Blumenau (FURB)

18/02/2019 22:47

 


Em 18/02/2019 o Grupo (Re) Habilitar foi recebido pelo CER II (Centro Especializado em Reabilitação II), localizado na Universidade Regional de Blumenau (FURB). O objetivo foi a apresentação dos docentes e discentes envolvidos e seus respectivos portfólios de pesquisa e extensão.

A Professora Soraia Dornelles Schoeller relatou suas experiências obtidas no Pós-Doutorado, realizado em Portugal, sobre o panorama internacional da Enfermagem de Reabilitação.

Na sequência, a Mestranda Milena Amorim Zuchetto, Especialista em Neurologia Clínica e Intensiva, conceituou o tema Esperança e apresentou seus resultados obtidos no TCC (Trabalho de Conclusão de Curso). Os presentes puderam compreender a importância do profissional como agenciador de esperança no processo de saúde-doença.

O CER II disponibiliza o atendimento multiprofissional para mais de 400 pessoas com deficiência física e/ou intelectual por mês das regiões de Apiúna, Ascurra, Benedito Novo, Blumenau, Botuverá, Brusque, Doutor Pedrinho, Gaspar, Guabiruba, Indaial, Pomerode, Rio dos Cedros, Rodeio e Timbó. Para saber como chegar no CER II, clique aqui.

Para acessar a página do CER II no Facebook, clique aqui.

Por: Ramon Carlos Pedroso de Morais, acadêmico do 8° período de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); membro do Grupo (Re) Habilitar; diretor administrativo e financeiro da LAENP (Liga Acadêmica de Enfermagem Neonatal e Pediátrica); voluntário na ACAM (Associação Catarinense de Assistência ao Mucoviscidótico – Fibrose Cística).

Revitalização da Sala de Estudos

08/01/2019 01:09

Para começar 2019 com o pé direito e muita inspiração, a sala da Professora Soraia Dornelles Schoeller, compartilhada com o (Re) Habilitar, passou por uma revitalização. O objetivo era “dar uma cor” e mesclar o tom de cor da parede com a natureza ao fundo. Participaram da reforma a Mestranda Milena Zuchetto, o Engenheiro Vitor Amorim, o Acadêmico Ramon Pedroso, com apoio do convidado Alison e também auxílio do Acadêmico Lucas Antunes.

O verde é cor da natureza viva. Está associada ao crescimento, à renovação e à plenitude. O verde acalma e traz equilíbrio ao corpo e ao espírito. O seu uso em momentos de depressão e tristeza pode ser reconfortante e estimulante (Fonte: Significados). Representa as energias da natureza, da vida, esperança e perseverança. Místicos acreditam que facilita a comunicação com as plantas e os devas da natureza. Simboliza a renovação, fertilidade, crescimento e saúde (Fonte: Significado das cores).

Por: Ramon Carlos Pedroso de Morais, acadêmico do 8° período de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); membro do Grupo (Re) Habilitar; diretor administrativo e financeiro da LAENP (Liga Acadêmica de Enfermagem Neonatal e Pediátrica); voluntário na ACAM (Associação Catarinense de Assistência ao Mucoviscidótico – Fibrose Cística).

“Zé” Raul Schoeller concede entrevista ao Grupo (Re) Habilitar

04/01/2019 18:33

O atleta paralímpico José Raul Schoeller Guenther (à direita), recém homenageado com o Prêmio Paralímpico 2018 na categoria Rugby CR, concedeu uma entrevista exclusiva ao Grupo (Re) Habilitar, laboratório de pesquisa ensino e tecnologia sobre saúde, enfermagem e reabilitação. Confira:

Que mensagem você daria para alguém que está em processo de habilitação e reabilitação que ainda não pratica um esporte?

“Então, eu acho que o esporte me ajudou muito na minha reabilitação, uma porque eu comecei a ter mais força física para conseguir realizar as atividades de vida diária (AVD), outra porque eu vi muita gente com lesão mais severa do que a minha fazendo mais coisas sozinhos do que eu faço, e isso me motivou muito a ter a minha independência. A reabilitação é fundamental para o esporte, e acho que, unir as duas coisas só vai ajudar todo mundo, porque o esporte precisa de mais participantes para crescer e os novos lesionados podem ter uma melhor reabilitação com o esporte.”

Para conhecer o esporte mais indicado para você ou seu paciente, clique aqui.

Qual país hoje oferece a melhor estrutura para o atleta de Rugby CR? O que eles fazem de diferente do Brasil?

“Eu não sei te dizer qual o país que oferece maior suporte. Identifico quais são os melhores times do mundo e acredito que isso se resulte do suporte que recebem. A Austrália tem um investimento muito grande no Rugby, apesar de saber que investem muito na parte de tecnologia, não sei como funciona lá.”

Caso eu queira ser um patrocinador, em qual canal de comunicação eu encontro vocês?

“Podem entrar em contato com a gente pelas nossas redes sociais. Temos todas elas e todas elas respondemos rapidamente, até pra quem quiser conhecer nosso trabalho.”

Instagram: @gigantes_rugby

Facebook: https://pt-br.facebook.com/gigantesrugbycr/

Website: http://aecsgigantes.wixsite.com/gigantes

Por: Ramon Carlos Pedroso de Morais, acadêmico do 8° período de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); membro do Grupo (Re) Habilitar; diretor administrativo e financeiro da LAENP (Liga Acadêmica de Enfermagem Neonatal e Pediátrica); voluntário na ACAM (Associação Catarinense de Assistência ao Mucoviscidótico – Fibrose Cística).

José Raul Schoeller recebe Prêmio Paralímpico 2018

03/01/2019 19:46

O atleta de Rugby José Raul Schoeller Guenther recebeu no dia 12 de dezembro de 2018 no Centro de Treinamento Paralímpico em São Paulo, o Prêmio Paralímpico 2018 em sua categoria. O evento foi apresentado por Gloria Maria e transmitido pela SporTv. Conheça os demais vencedores de outras modalidades clicando aqui.

Em entrevista concedida à ABRC (Associação Brasileira de Rugby em Cadeira de Rodas), Instituição Máxima da Modalidade no Brasil, o atleta declara:

“Me sinto muito honrado de poder representar esse esporte, que poderia ser muito bem representados pelos meus colegas e parceiros que disputaram o prêmio comigo, Junior Wirzma e Julio Braz, bem como muitos outros que poderiam estar concorrendo a este prêmio. Acho que este prêmio pode e deve ser uma marca, como eu conversei com o meu amigo Julio Braz, para que os pontos baixos possam ser valorizados, não aparecemos muito em quadra, mas sem dúvidas tentamos fazer nosso serviço para que todos possam aparecer”

Confira também a entrevista concedida à CBN Diário, clicando aqui.

José Raul é atleta da equipe Gigantes Rugby em Cadeiras de Rodas (AECS) de Campinas (SP). Em 2011,  recebeu o primeiro convite para participar da Seleção Brasileira da modalidade. Em 2018, foi campeão e o melhor atleta da sua classe na Copa Brasil. Com a Seleção Brasileira foi prata no Four Nations Cup, na Alemanha.

Outros atletas indicados ao prêmio: Julio Cesar Braz da Rocha, Gilson Dias Wirzma Jr, José Higino Oliveira Sousa, Rafael Hoffmann, Guilherme Figueiredo Camargo, Bruno Damasceno Ferreira, Anderson Kaiss, Alexandre Vitor Giuriato.

O Rugby em Cadeira de Rodas (Quad Rugby): De acordo com a ABRC, a modalidade surgiu no Canadá como opção esportiva para pessoas com tetraplegia na década de 1970, devido à dificuldade em obter o mesmo desempenho dos atletas que possuíam menor comprometimento para realizar prática no basquete em cadeira de rodas.

Quem participa: A elegibilidade da prática esportiva no Rugby em Cadeira de Rodas é para atletas com deficiência física, porém, com alto grau de comprometimento, sendo no mínimo três membros a nível neurológico ou amputação e deformidades nos quatro membros. No Brasil, atletas com tetraplegia correspondem a mais de 90% dos praticantes.

Classificação dos participantes: O Rugby em Cadeira de Rodas, assim como outras modalidades paralímpicas, apresentam um sistema de classificação funcional no qual, os atletas são divididos em sete classes funcionais: 0.5, 1.0, 1.5, 2.0, 2.5, 3.0 e 3.5, sendo que, quanto menor a classificação funcional, maior é o comprometimento motor.

Objetivo do jogo: consiste no atleta ultrapassar o gol adversário, localizado na linha de fundo ofensiva e dimensão de 8 metros, com domínio total da bola. A modalidade possui ações como bloqueios, passes, dribles e fintas, que são similares às modalidades coletivas convencionais do Rugby de campo, Basquetebol e Handebol e que são realizados de forma constante e intensa.

Quer saber qual esporte paralímpico mais indicado para você ou seu paciente? Clique aqui.

Fonte:

https://globoesporte.globo.com/google/amp/paralimpiadas/noticia/melhores-do-ano-conheca-os-vencedores-do-premio-paralimpicos-2018.ghtml

http://rugbiabrc.org.br/modalidade/

https://rugbiabrc.org.br/2018/10/27/definidos-atletas-que-irao-representar-o-rugby-no-premio-paralimpico/

http://rugbiabrc.org.br/2018/12/06/jose-raul-e-o-atleta-homenageado-no-premio-paralimpicos-2018/

Por: Ramon Carlos Pedroso de Morais, acadêmico do 8° período de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); membro do Grupo (Re) Habilitar; diretor administrativo e financeiro da LAENP (Liga Acadêmica de Enfermagem Neonatal e Pediátrica); voluntário na ACAM (Associação Catarinense de Assistência ao Mucoviscidótico – Fibrose Cística).

Grupo (Re) Habilitar recebe Prêmio Internacional em Portugal

03/01/2019 18:56

De 6 a 8 de dezembro de 2018 ocorreu na cidade de Porto (Portugal) o Congresso Internacional de Enfermagem de Reabilitação, organizado pela APER (Associação Portuguesa dos Enfermeiros Especializados em Enfermagem de Reabilitação).

“A Enfermagem de Reabilitação produziu conhecimento que forneceu base científica para orientar as nossas práticas assegurando a credibilidade da profissão. Este conhecimento permitiu obter mais eficácia e eficiência nos cuidados prestados pelos Enfermeiros de Reabilitação, pelo que consideramos importante preservar esta herança e transmiti-la às gerações futuras, tal como fizeram as gerações passadas connosco.”

Os resumos científicos foram submetidos no Concurso Internacional de Comunicações Livres, resultando nos dois principais prêmios do evento:

1º Lugar: Cuidado de Enfermagem de Reabilitação enquanto processo emancipatório.
Participantes: Soraia Dornelles Schoeller; Milena Amorim Zuchetto; Maria Manuela Martins; Caroline Porcelis Vargas; Lucas Antunes.

2º Lugar: Construção e validação de brinquedo para o autocuidado da criança submetida a gastrostomia: Um olhar da enfermagem de reabilitação.
Participantes: Ramon Carlos Pedroso de Morais; Soraia Dornelles Schoeller; Lucas Antunes; Caroline Porcelis; Sara Lopes.

Confira a lista de premiação, clicando aqui.

Demais resumos submetidos:

Os Cuidados de enfermagem de reabilitação em pacientes acometidos por fibromialgia: uma revisão integrativa.
Participantes: Lucas Antunes; Caroline Porcelis Vargas; Milena Amorim Zuchetto; Daniella Karine Lima; Soraia Dornelles Schoeller.

Investigar a existência dos aspectos amor, respeito e solidariedade nas teorias de enfermagem. 
Participantes: Soraia Dornelles Schoeller; Maria Manuela Martins; Lucas Antunes; Milena Amorim Zuchetto; Caroline Porcelis Vargas.

Esperança para pessoas com lesão medular.
Participantes: Milena Amorim Zuchetto; Soraia Dornelles Schoeller; Adriana Dutra Tholl; Daniella Karine Lima.

Cuidados e desafios da enfermagem ao idoso com diabete mellitus.
Participantes: Aline Gasparetto Marques; Cristine Moraes Roos; Soraia Dornelles Schoeller; Daniella Karina Souza Lima; Caroline Porcelis Vargas.

Uma análise sobre o que significa deficiência e acessibilidade para grupos do Facebook.
Participantes: Sara Mendes Boeira Lopes; Luciana Neves da Silva Bampi; Soraia Dornelles Schoeller; Miriam Cristina Gualdezi; Ramon Carlos Pedroso de Morais.

Por: Ramon Carlos Pedroso de Morais, acadêmico do 7° período de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); membro do Grupo (Re) Habilitar; diretor administrativo e financeiro da LAENP (Liga Acadêmica de Enfermagem Neonatal e Pediátrica); voluntário na ACAM (Associação Catarinense de Assistência ao Mucoviscidótico – Fibrose Cística).

I Curso de Saúde e Enfermagem de Reabilitação

09/12/2018 13:40
Durante o segundo semestre de 2018 o grupo (Re)Habilitar organizou o I Curso de Saúde e Enfermagem de Reabilitação, reunindo alunos da graduação em enfermagem e enfermeiros do SUS para pensar sobre a reabilitação e o cuidado de enfermagem especializado no panorama mundial, nacional e regional. No curso foram abordadas as questões políticas, organizacionais, teóricas, filosóficas, sociológicas e práticas da enfermagem de reabilitação, cruzando a realidade internacional para contrapor às diferenças sociais, políticas e arquitetônicas do Brasil. O grupo ampliou as compreensões acerca do conceito de enfermagem de reabilitação, cuidado, saúde, deficiência, diversidade e sociedade. Segue abaixo um panorama exemplificado a partir das falas dos participantes sobre a evolução conceitual destes temas.
  • Qual o papel de enfermagem de reabilitação?    
ANTES: “Potencializar o processo de adaptação de habilidades da vida diária que foram reduzidas ou perdidas por conta de um acidente ou agravo de saúde, unicamente aplicada a uma pessoa que possui alguma limitação com possibilidades de readequação.”
DEPOIS: “Cuidado de Enfermagem de Reabilitação é muito mais que o ato de cuidar, é prover subsídios, encorajamento e, através de técnicas fundamentadas, auxiliar no processo de desenvolvimento dentro de uma nova perspectiva de vida. Fazendo com que esta nova realidade seja repleta de oportunidades que superam as limitações. O cuidado gera aprimoramento, conquista e treino com intuito de incluí-lo novamente a sociedade.”
  • Qual a diferença entre deficiência e diversidade?
ANTES: “Deficiência é físico ou intelectual, enquanto que a diversidade é o que nos faz diferentes.”
DEPOIS: “Deficiência é a redução ou de uma habilidade por fatores limitantes, seja ela física ou mental,  diferenciando o sujeito no padrão biológico normativo do ser humano quanto as suas funções, seja momentaneamente ou definitivamente. A deficiência é multifatorial e influenciada por fatores externos e internos, por isso, muito complexa e subjetiva. A diversidade são as diferenças ou variações pessoais dentro do viver. A diversidade é o motor da singularidade humana, por isso é importante saber que cada pessoa carrega deficiências e potencialidades que a faz diversa e única na sociedade.”
Por: Ramon Carlos Pedroso de Morais, acadêmico do 7° período de Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); membro do Grupo (Re) Habilitar; diretor administrativo e financeiro da LAENP (Liga Acadêmica de Enfermagem Neonatal e Pediátrica); voluntário na ACAM (Associação Catarinense de Assistência ao Mucoviscidótico – Fibrose Cística).
  • Página 1 de 3
  • 1
  • 2
  • 3